Só a volta da monarquia harmonizaria a tensão política atual

  • Estéfano Lopes
  • 24 de junho de 2020

Aderi à restauração da monarquia há algum tempo e com o passar dos tempos venho tendo mais convicção que esse dia irá chegar. Verdade seja dita já não tem mais como sustentar um sistema republicano falido e desgastado emocionalmente por corrupção e abusos judiciais em sucessivos ataques contra a liberdade de expressão e o aumento da impunidade, cito como exemplo, a soltura de presos no período de fragilidade ocasionado pela Covid-19.

A monarquia parlamentar ainda é um sonho distante que exige paciência e trabalho, atitude em divulgar e principalmente reconhecer e valorizar a sua grandiosa história. O Brasil passou por uma estabilidade política nos anos 50 e 60, fazendo um referendo nacional adotando um sistema político, passou por 21 anos de um regime militar democrático e depois mais 33 anos num triunvirato republicano cheio de corrupção e com dois presidentes cassados por impeachmeant. Em 1993, ocorreu um plebiscito que tinha como possibilidade restaurar a monarquia e adotar o parlamentarismo, o povo optou pela república com uma votação expressiva que atingiu 86% formando assim a permanência do presidencialismo, mas enfim, foram 25 anos até termos um presidente conservador que mudasse essa mentalidade de velha política, isso demorou muito para acontecer e vimos o rombo, a destruição, a tomada de poder dos social democratas, da centro esquerda e fizemos essa pergunta : a República realmente é necessária? Lembre-se desse fato, quais partidos apoiaram a República presidencialista, são eles, o MDB, PT, PDT, PFL, PTB, o PSDB apoiou a República parlamentar. Talvez apenas o Prona apoiou a ideia de ter uma monarquia.

Em 2023 completará trinta anos desse plebiscito que permitiu o formato do sistema republicano e a forma de governo presidencialista. Mesmo que agora tenhamos o governo mais temente às necessidades do povo, ainda assim deveríamos por um momento pensar no futuro da nação. Estou projetando que a monarquia parlamentar volte em 2030, mas para isso acontecer, deve haver vontade e anseio popular porquê diferente do golpe republicano de 1889, à família real no dará golpe na república e isso é um fato concreto. Os princípios e valores são sagrados e restaurar o sistema é fundamental, o grande palco da saúde mental praticamente está com as cortinas fechadas. Alguém precisa abri-las!

O governo Bolsonaro é projeção de uma campanha magnífica com colaboração gratuita do povo que saiu às ruas para pedirem dignidade e o fim da politicagem, Jair Bolsonaro é ousado e seguro de que tem a missão de colocar a nação nos trilhos, mas ele sabe também que deve restabelecer a ordem, a missão é endireitar o país. Uma reeleição em 2022 é bastante provável, o povo aderiu com veemência e aprova sua maneira de governar, o Brasil precisa fazer reformas políticas e sociais, isso também significa que deve fazer reparos na constituição, no código penal e nas universidades, e também reduzir impostos e cargos públicos.

Redigindo tudo isso concluo que de fato depois de várias fases com estabilidade política o país precisa de reformas urgentes e considerando a atual situação em que vê-se um poder querer sufocar outro e se julgar mais importante sendo que sua finalidade está sendo distorcida então tomo por conclusão que a ideia de termos uma restauração da monarquia é a solução definitiva, pois diferente de 1993, muitos já refletiram sobre a veracidade e sabem que é esse o caminho certo a ser seguido. O poder monárquico é mais econômico e nele há garantias de que a corrupção e as ameaças contra a liberdade de expressão não serão toleradas e muito menos praticadas sem que aja uma punição. A constituição do império do Brasil de 1824 feita pelos conservadores é muito mais eficaz do que a de 1988 feita por politicos que buscavam apenas o poder. Tenho muita fé que a ideia está amadurecendo, hoje temos por exemplo um membro da família real na Câmara Federal, Luiz Philippe de Orléans e Bragança, deputado federal pelo estado de São Paulo.

Mais Artigos:

Filosofia
Ana Emerick

Em cima do muro: A nova onda do cancelamento

Na atualidade conflituosa em que nos encontramos o mais seguro parece ser o lugar ocupado por “isentões” – aqueles que nunca tomam partido sobre nada, portanto, estão sempre em cima do muro nas mais diversas situações. Mas, será que se manter indiferente é o caminho?

Ler Mais »
Meio Ambiente
Kauan Alexandre

Parem o festival de Yulin

A China é, com certeza, palco de inúmeras bizarrices gastronômicas e abusos aos direitos dos animais. Neste artigo, trago um resumo do que é o festival de Yulin, realizado no sul da China desde 1990.

Ler Mais »
Meio Ambiente
Kauan Alexandre

Como minimizar a exploração ilegal na Amazônia

O debate acerca do desmatamento ilegal na Amazônia é cada vez mais urgente, e está acima de uma questão política de governos. Neste artigo, discorrerei sobre os principais problemas e fraudes no controle e fiscalização e alternativas viáveis para conter o desmatamento.

Ler Mais »
Meio Ambiente
Kauan Alexandre

Meio Ambiente e Liberdade

Em todo ano de campanha eleitoral, o debate acerca do meio ambiente se intensifica – principalmente entre candidatos de esquerda. No entanto, depois da divulgação dos resultados, poucos políticos continuam dando importância para este assunto. Com isso, podemos ter uma certeza: A preocupação dos políticos com o meio ambiente só existe (falsamente) na campanha,  para obter votos, tolher liberdades e relativizar a soberania nacional.

Ler Mais »
História
AveVeritas - Podcast

Saul Alinsky

SALVAR PARA VER DEPOISTradução do artigo de John Perazzo Saul Alinsky nasceu em 30 de janeiro de 1909, Chicago, de pais russos e judeus, mas foi pessoalmente agnóstico em relação à religião. O autor e comentarista político David Horowitz escreveu que Alinsky “atingiu a maioridade na década de 30 como um simpatizante comunista”, como o

Ler Mais »
Política
AveVeritas - Podcast

O SHADOW PARTY

SALVAR PARA VER DEPOISTradução do artigo de David Horowitz Ninguém sabe ao certo quem primeiro usou o termo “Shadow Party.” Em 5 de novembro de 2002, o escritor do Washington Post, Thomas B. Edsall, escreveu sobre “shadow organizations” que estavam surgindo para contornar a proibição de contribuições indiretas de McCain-Feingold (que é discutida detalhadamente abaixo).

Ler Mais »
Política
AveVeritas - Podcast

O PARTIDO COMUNISTA DOS EUA (CPUSA)

SALVAR PARA VER DEPOISTradução do artigo de David Horowitz Após seu início, em 1919, o CPUSA foi inextrincavelmente associado à Internacional Comunista Soviética (Comintern), a qual era controlada pela liderança de Moscou e possuía “incontestável autoridade” sobre todos os partidos internacionais. Quando foi fundado, o Partido tinha aproximadamente 50.000 membros. Na década de 20, os

Ler Mais »