Meio Ambiente e Liberdade

  • Kauan Alexandre
  • 11 de abril de 2021

Em todo ano de campanha eleitoral, o debate acerca do meio ambiente se intensifica – principalmente entre candidatos de esquerda. No entanto, depois da divulgação dos resultados, poucos políticos continuam dando importância para este assunto. Com isso, podemos ter uma certeza: A preocupação dos políticos com o meio ambiente só existe (falsamente) na campanha,  para obter votos, tolher liberdades e relativizar a soberania nacional.

Em agosto de 2019, surgiram as manchetes: “Manchas de óleo aparecem em praia do NE”, “Por ineficiência da gestão ambiental de Bolsonaro, manchas de óleo reaparecem” e diversas outras, que utilizavam de um problema ambiental sério para atacar e responsabilizar o Governo Federal. Esse discurso foi amplamente utilizado pela esquerda, inclusive, como pretexto para pedidos de impeachment. No entanto, depois que pesquisas apontaram que a origem provável do vazamento de óleo era de um petroleiro venezuelano, a esquerda se calou. Ora, o assunto deixou de ser importante para se calarem? Não, apenas deixou de favorecer a narrativa política criada por eles.

Em 2019, também, a Rede Globo e os partidos de esquerda se uniram em uma narrativa: Queimadas na Amazônia. Neste período, famosos brasileiros e estrangeiros,  como Leonardo Dicaprio, criticaram a atuação do governo no combate às queimadas. Neste período também, surgiram algumas gafes, como as “Girafas da Amazônia”. No entanto, as queimadas são típicas em determinadas estações do ano e, por mais que tivéssemos um número maior de focos em 15 anos, a densidade e extensão das queimadas eram as menores em 30 anos. Para favorecer a narrativa, pessoas responsáveis por levar à população informações verdadeiras ignoraram esses fatos e tentaram responsabilizar o Governo Federal por uma questão que é puramente climática.

Mais recentemente, na campanha presidencial americana, o então candidato Joe Biden ameaçou impor sanções ao Brasil, oferecendo, como alternativa, um fundo de 20Bi de dólares para acabar com o desmatamento. Isso foi um grande ataque à soberania nacional, o que gerou uma instabilidade grande entre o Brasil e os Estados Unidos. O desmatamento na Amazônia ocorre por diversos motivos diferentes – entre eles está a cultura indígena de limpeza de terreno, incêndios controlados em propriedades privadas e por questões climáticas. Sendo, assim, praticamente impossível de ser extinguido.

É evidente que o interesse internacional na Amazônia não é pelo meio ambiente e, sim, pela riqueza da floresta. Se esses países se importassem tanto com o meio ambiente, não teriam acabado com suas florestas. A Amazônia possui, em seu território, enormes quantidades de grafeno, ferro, manganês, alumínio, cobre, zinco, níquel, cromo, titânio, fosfato, ouro, prata, platina, paládio, ródio, estanho, tungstênio, nióbio, tântalo, zircônio, terras-raras, urânio e diamante, além de sua biodiversidade e quantidade de árvores.

Outro motivo que prova que o interesse internacional é puramente econômico e político é que países como Alemanha, Bélgica, Dinamarca, França, Itália, Holanda, Portugal e Reino Unido compram madeira extraída de forma ilegal da Amazônia, como revelou a operação Arquimedes, deflagrada pela Polícia Federal.

O Governo Bolsonaro, diferente do que a grande mídia diz, já realizou diversos avanços na área da sustentabilidade e em defesa do meio ambiente, entre elas podemos citar o crescimento de 47% das propriedades rurais que usam tecnologias sustentáveis (financiando com o Programa ABC), o Programa Águas Brasileiras – para revitalizar bacias hidrográficas, a redução de 34% dos avisos de desmatamento na Amazônia, o Programa Adote Um Parque e muitos outros, sem utilizar o meio ambiente como pretexto eleitoreiro.

Com isso, fica evidente que o meio ambiente é uma grande arma utilizada pela mídia para fins políticos, por sua facilidade de comoção pública e conversão em votos.

Debater e criar políticas públicas para promover o desenvolvimento sustentável e a preservação do meio ambiente é extremamente necessário. No entanto, isso deve ser feito de maneira responsável e séria, deixando de lado interesses políticos e focando, realmente, em solucionar os problemas e fazer avanços nessas áreas.

Mais Artigos:

Meio Ambiente
Kauan Alexandre

Meio Ambiente e Liberdade

SALVAR PARA VER DEPOISEm todo ano de campanha eleitoral, o debate acerca do meio ambiente se intensifica – principalmente entre candidatos de esquerda. No entanto, depois da divulgação dos resultados, poucos políticos continuam dando importância para este assunto. Com isso, podemos ter uma certeza: A preocupação dos políticos com o meio ambiente só existe (falsamente)

Ler Mais »
História
AveVeritas - Podcast

Saul Alinsky

SALVAR PARA VER DEPOISTradução do artigo de John Perazzo Saul Alinsky nasceu em 30 de janeiro de 1909, Chicago, de pais russos e judeus, mas foi pessoalmente agnóstico em relação à religião. O autor e comentarista político David Horowitz escreveu que Alinsky “atingiu a maioridade na década de 30 como um simpatizante comunista”, como o

Ler Mais »
Política
AveVeritas - Podcast

O SHADOW PARTY

SALVAR PARA VER DEPOISTradução do artigo de David Horowitz Ninguém sabe ao certo quem primeiro usou o termo “Shadow Party.” Em 5 de novembro de 2002, o escritor do Washington Post, Thomas B. Edsall, escreveu sobre “shadow organizations” que estavam surgindo para contornar a proibição de contribuições indiretas de McCain-Feingold (que é discutida detalhadamente abaixo).

Ler Mais »
Política
AveVeritas - Podcast

O PARTIDO COMUNISTA DOS EUA (CPUSA)

SALVAR PARA VER DEPOISTradução do artigo de David Horowitz Após seu início, em 1919, o CPUSA foi inextrincavelmente associado à Internacional Comunista Soviética (Comintern), a qual era controlada pela liderança de Moscou e possuía “incontestável autoridade” sobre todos os partidos internacionais. Quando foi fundado, o Partido tinha aproximadamente 50.000 membros. Na década de 20, os

Ler Mais »
Política
AveVeritas - Podcast

O PARTIDO DEMOCRATA

SALVAR PARA VER DEPOISTradução do artigo de David Horowitz   Atualmente, o Partido Democrata é um dos dois maiores partidos nos Estados Unidos. No espetro político direita-esquerda, atualmente encontra-se à esquerda do grande Partido Republicano e mais à esquerda do Partido Democrata de Harry Truman e John F. Kennedy. As palavras “Democracia” e “Democrata” vêm

Ler Mais »
Conservadorismo
Elias Patrício Jr.

Bajulação gera ilusão, faz mal a quem bajula e aos líderes bajulados.

SALVAR PARA VER DEPOISEdmund Burke foi político protestante e fez parte do partido liberal Whigs, foi considerado o pai do conservadorismo e escreveu essa frase em suas cartas (Reflexões sobre a Revolução em França) em detrimento da pressão que estava sofrendo de políticos de Londres e do Reino da Irlanda a se manifestar em felicitações

Ler Mais »